Solidão

Estar isolado tem feito de alguma forma as pessoas se sentirem ansiosas, angustiadas, desmotivadas, sem energia, sem vontade de agir, com medo do que está por vir, mas um dos efeitos mais preocupante do isolamento é a solidão.

Podemos estar sozinhos, mas estar bem connosco mesmo. Solidão não é estar sozinho. Existem cada vez mais pessoas que embora rodeadas de pessoas, sentem-se sozinhos. Porque é que isto acontece?

Sentimo-nos sozinhos quando não nos sentimos amados, quando não sentimos a conexão humana.

O cerebro humano é muito social. Assim como necessitamos de bebida e de comida, também precisamos de contacto social para sobreviver.

Assim como quando temos sede o cerebro sugere-nos beber água, quando sentimos fome o cerebro sugere-nos comer, quando sentimos frio o cerebro sugere-nos vestir um casaco, quando sentimos a solidão o cerebro sugere-nos o contacto social. Isto acontece porque se sentir amado ou conectado a outras pessoas é uma das necessidades básicas do ser humano.

Se tiveres duvidas sobre isto do cerebro ser social, basta pensar quantos dos nossos pensamentos diários são sobre outras pessoas…. E a que conclusão chegaste? Muitos, não é?

Um cerebro saudável tem a necessidade desta conexão. A solidão não é capricho. A solidão é um problema de saúde publica e é verdadeiramente stressante!

Quando sentimos a solidão faz com que tenhamos alterações de humor, sintamos ansiedade, faz com que tenhamos menos paciência, faz com que andemos mais irritados e consequentemente com menos capacidade de empatia, o que naturalmente nos leva a entrar em conflito com mais facilidade com as pessoas que moram connosco.

Como ainda não é possível sair livremente para resolvermos esta necessidade básica de estarmos em contacto com os outros, a forma como tu escolhes estar neste isolamento pode beneficiar ou agravar a tua saúde mental, sabias disso?

Podes escolher continuar neste isolamento revoltado, obrigado, frustrado ou podes escolher ficar isolado como um ato de carinho e proteção por ti e pela sociedade no geral. Esta pequena mudança de perspetiva pode ajudar a que o stress vivido neste isolamento não seja tão intenso, reduzindo assim os efeitos negativos da situação em que nos encontramos, até porque um ano depois de ter surgido o primeiro isolamento, continuamos sem saber até quando será necessário nos mantermos desta forma.

No próximo artigo vou partilhar contigo formas de reduzir os efeitos negativos deste isolamento para que consigas manter o teu equilíbrio emocional e consequentemente uma maior saúde mental.

Publicado no Jornal “O Figueirense” de Março.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *