Gestão das Emoções 08 Maio 2021

A cada semana que passa vamos recebemos crianças e jovens novos, pelo que peço a compreensão dos pais, para os possíveis ajustamentos de horários. Como vos tenho dito, para mim é importante chegar a todos, e comparando com anos anteriores eu reduzi o numero de crianças por grupo, para conseguir chegar a eles de forma individual e ao mesmo tempo usufruir da partilha de grupo que torna os resultados mais eficazes.

Como tenho tido a oportunidade de vos dizer pessoalmente, apesar de ter sempre um objetivo para cada sessão, é no caminho, no decorrer da sessão que eu me ajusto às necessidades do momento, e mais uma vez a sessão deste grupo não fugiu à regra.

Desta vez fomos para a rua, aprender a respirar fundo, porque já sabem que a respiração profunda ajuda a acalmar. E como é que eu consigo explicar os verdadeiros efeitos da respiração profunda quando eles estão calmos e serenos nas minhas sessões? Então há que explorar, há que nos colocarmos em movimento em busca de situações naturais do dia a dia e verificar na prática como é que eles interagem.

No caminho do parque, três das crianças em contextos diferentes usaram a palavra “morrer” o que me fez explorar e ficar atenta a contextos seguintes.

Noutro momento foi perceber uma das crianças me apertar a mão com toda a força quando avistava um cão ao longe, com calma esta criança decidiu ter a coragem de fazer o mesmo que os outros colegas estavam a fazer.

Uns passos à frente, um mais aventureiro trepou uma árvore e aqui sim, encontrámos o cenário perfeito para a sessão, pois consegui ver neles reações completamente diferentes. Uns de admiração pelos que conseguiam, noutros consegui sentir a frustração porque uns conseguiam e ele/ela não. Noutros o “isso não é para mim”, nem vou tentar, outros “eu não consigo”, outros eu nunca fiz isso, outros “eu não tenho força nas mãos”… um vocabulário riquíssimo para trabalhar 🙂

Incluímos no vocabulário o “Ainda não consigo” e todos testaram até conseguir. Treinámos o não julgamento, respeito pelo outro, por si mesmo, ultrapassámos limites, conheceram um pouco mais de si mesmo e ainda escrevemos papelinhos com características positivas sobre eles mesmo e colocámos dentro de um balão para levar para casa.

Incrível como eles sabem dizer tão bem o que não gostam e o que são sabem fazer ou o que não são bons a fazer, e têm tanta dificuldade em saber o que sabem fazer bem ou no que são bons. A maioria diz que não é bom em nada… Porque será?

Queridos pais, eu vou começar a escrever e a gravar mais para vocês, porque eu preciso do vosso comprometimento, isto é um trabalho em equipa.

Vamos querer que eles mudem comportamentos, não só nas horas a seguir ao estarem comigo, mas que essas mudanças sejam consistentes em casa e na escola.

O tempo que eles passam na escola nós não conseguimos cuidar nem gerir tudo o que eles vivem e ou sentem ao longo de cada dia, mas existem técnicas bem simples e muito eficazes que vos partilhei no workshop do dia 24 Abril 2021! Quanto mais trabalho com eles, mais tenho a noção da importância de vocês pais saberem como gerir as emoções dos vossos filhos. Tenho vindo a pensar e vou disponibilizar a gravação desse workshop.

Se se sentem comprometidos e querem fazer parte deste processo dos vossos filhos, entrem em contacto comigo.

Alexandra Santos – NeuroCoach das emoções e terapeuta comportamental

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *